O problema da educação dentro do Estado NEOLIBERAL “BRASILEIRO”.

Posted on 21/12/2008

1


 Olá a todos os amigos que passam por este blog.

Hoje venho para escrever sobre a minha experiência como professor e o que pude perceber sobre a estrutura da escola que cada vez mais des – prepara o aluno para a batalha da vida.

Dia 29 de março de 2008, eu consegui algumas aulas nas escolas do Estado, as disciplinas eram Filosofia e Ensino Religioso para adultos e crianças de 10 à 13 anos, logo em seguida, consegui aulas de Sociologia para adolescentes de 17 à 21 anos. Foram quase 10 meses em sala de aula, antes com a perspectiva do aluno e agora com a perspectiva do professor, portanto, pretendo aqui demonstrar o que conseguir ver meio a tantas sombras que nos impede a visão total do problema que estou abordando, a educação no Brasil. 

Quando aluno, eu me revoltava diariamente, pois sempre pensei estar do lado mais fraco do problema e, por isso, era muito rebelde na escola e, também, fora dela. Hoje, percebo que a opressão acontece na ordem decrescente: o Estado obriga as escolas a possuírem um índice de rendimento escolar fora dos padrões possíveis, os dirigentes das escolas obrigam aos professores e funcionários a cumprirem com esses planejamentos ao mesmo tempo em que o professor, através de uma metodologia instrumental que prioriza alunos que respondem melhor aos estímulos ordenados, oprime os alunos igualando a todos e faz com que muitos que se comportam de modos diferentes sejam eliminados deste sistema através da padronização do ensino. Já por parte dos pais, que pressionam os pedagogos e diretores a passar seu filho à próxima série, o mesmo acontece com o Estado que diminui verbas dadas as escolas, caso esta escola tenha um índice de reprovação muito alto. Esta é a rede de opressão que nos IMPÕE um caminho que não queremos e, todavia, as possibilidades de mudança são pouquíssimas.

Nas aulas de Sociologia, eu tentava de tudo para fazer com que os alunos compreendessem o contexto no qual vivem, mas no fim do ano ficou a impressão que quase não consegui dar conta do recado, e o que falei o ano todo em nada adiantou, parece que eu estava dando aulas para surdos, sempre que a sala estava quieta e olhando para mim, eu fazia uma pergunta ordinária e ninguém me respondia, batia um tremendo desanimo me parece que depois que a ditadura militar aboliu o ensino da Sociologia e da Filosofia nas escolas públicas, as pessoas já não conseguem estabelecer uma relação que envolve seu próprio contexto no qual vivem com as idéias alheias que se transformam em pensamento único. Mas, os alunos não têm culpa alguma, eles são tão vítimas como nós professores, pedagogos e diretores que a todo tempo sofremos com a opressão.

Preciso que entendam que o Estado tampouco é o problema, na verdade ele é a solução, o problema se enraíza na diminuição do Estado quando este se retira do espaço público aumentando, assim, a importância do bem privado que exclui a camada da população que precisa dos serviços do Estado para sobreviver. Quando legamos o dever do Estado somente a sua administração, deixamos um grande espaço para as empresas que só tem compromissos com os rendimentos do capital investido, são eles que tomam a frente do Estado e transformam a miséria do povo em uma mercadoria muito rentável que produz lucros enormes e, também, proporciona a “lavagem do dinheiro sujo”. Deste modo, retira a obrigação do Estado que é proporcionar as condições básicas para a manutenção da vida de seus cidadãos. É através do discurso da péssima administração Estatal que a classe dominante obriga os administradores do Estado a “conceder a licença para fornecer serviços a população”, sabemos que este “favor” não vem de graça, o capital aplicado quer retorno, e é pelas verbas públicas vindas do Estado que as empresas privadas superfatura os serviços concedidos ao Estado e, assim, garante o dinheiro investido (LUCRO) que se alimenta da pobreza de grande parte da população pobre.

Esta é a perspectiva que tenho acerca do contexto no qual vivo e que tentei transmitir aos meus alunos, apesar de achar que não fui bem sucedido continuarei nesta profissão de professor por acreditar que a revolução só se realizará quando as pessoas tomarem consciência da injustiça na qual estão submetidas e, assim, criar possibilidades para revoltar e lutar pela melhoria da vida em todos os âmbitos de nossa sociedade.

OBS: É bom lembrar que amanhã tem no centro do rodaviva o delegado Protógenes, assista e entenderá um pouco mais o que se passa atrás das curitinas que esconde os crimes cometido pelas classes dominantes. Assitam pela TV CUltura ou pelo site www.tvcultura.com.br/rodaviva às 22:10 da noite de segunda-feira dia 22/12/2008.

 

O blog tem o intuito de tentar levar a você uma perspectiva diferente e causar discussão e debate de idéias, contribua, comente.

 

 

 

Anúncios