A Culpa é do Fidel? Análise de uma notícia

Posted on 25/04/2010

0


Compxs,
há muito tempo não movimento este blog…
este post pretende voltar ao tema do Blog, como interpretamos as informações que nos chegam? De que forma estas nos afetam, ao passo que seu excesso pode gerar fortes problemas psicológicos, pois não conseguimos interpretar este montante de informações que nos chegam a cada segundo.

Abaixo, reproduzo uma notícia sobre o suicídio de uma menina na Inglaterra, o motivo foi o rechaço de muitas candidaturas para um emprego aliado a ideia (imposta) de que vivemos numa “meritocracia”, o sistema proporciona condições igual a todos e cabe ao cidadão “vencer na vida”, caso isso não ocorra é culpa tão-somente daquele que não foi “capaz de vencer”.
Depois da notícia, eu faço uma análise e uma relação entre as diferentes condições de subsitência. Deixo claro que não menosprezo a saída desta menina, acho válida mas há outras formas de luta.

Segue a notícia e a análise.

A Culpa é do Fidel?

Rejeitada em centenas de empregos, britânica comete suicídio. Segundo o pai, Vicky Harrison estava frustrada depois de passar dois anos procurando emprego sem sucesso

Uma jovem britânica de 21 anos cometeu suicídio depois de passar dois anos procurando emprego sem sucesso, disse seu pai. Descrita pela família como determinada e inteligente, Vicky Harrison se sentiu “humilhada e envergonhada” depois de receber centenas de cartas de rejeição.

A jovem se formou na escola com boas notas e passou um ano estudando cinema e mídia em uma universidade em Londres antes de decidir tentar a sorte no mercado de trabalho.

Desde que voltou para a casa dos pais em Darwen, no condado de Lancashire, a jovem se candidatou a centenas de empregos que iam desde vendedora de lojas, garçonete e atendente de cantina escolar, segundo informou o jornal local Lancashire Telegraph.

“A família dela disse que a jovem não tinha histórico de depressão mas ficou chateada com a falta de sucesso no mercado de trabalho”, afirma o jornal.

A jovem se matou com uma overdose de remédios depois de receber mais uma carta de rejeição de uma creche, um dia antes de receber o cheque semanal do seguro-desemprego (cerca de R$ 120 por semana).

Ela deixou três bilhetes de despedida – um para a mãe, outro para o pai e outro para o namorado – em que declarou “não quero mais ser eu”. Os três planejam criar uma fundação no nome de Vicky Harrison para ajudar jovens desempregados a lidar com o problema.

A jovem foi encontrada morta na sala da casa de sua mãe, com embalagens vazias de remédios, em março passado.

Na quinta-feira, seu pai falou com a imprensa pela primeira vez. Um inquérito sobre sua morte será aberto no próximo dia 9 de junho.

Fonte: Centro de Midia Independente – CMI
http://midiaindependente.org/pt/blue/2010/04/470313.shtml

Minha análise sobre a notícia acima.

Realmente é este sentimento que o sistema da ditadura do capital disfarçado de “meritocracia capitalista” realça nxs milhoes de trabalhadores. Este sentimento de culpa, de incapacidade realmente é humilhante, piora quando você é pai de família e a tv coloca desejos inalcansáveis nas crianças, te colocando contra a parede.

Este é o esquema do sistema para manter as pessoas trabalhando, consumindo, sem deixar um espaço sequer para refletir sobre o que está acontecendo. Esse esquema impede o trabalhador de ver a situação de opressão do sistema, ele é levado a acreditar que a culpa por não ter dinheiro é só dele (do trabalhador).

Assim, é ele quem deve ser responsável por ter fracassado na vida.

No brasil, acho que a taxa de suicídio por causa deste problema é menor, não porque as pessoas não estejam fartas desta opressão, mas pelo fato de ter esposas e filhos para dar o que comer. Como ficaria se um pai de família resolvesse se suicidar por estar nesta situação? Simplesmente deixaria aquilo que ele possui de maior valor, a esposa e os filhos.

Por isso que se faz necessário a conscientização do povo, só assim poderemos encontrar uma via para por fim a opressão do Capital.

Anúncios
Posted in: Uncategorized